Siga-nos no Twitter, Facebook e Youtube, promoções relâmpago, novidades, dicas e muito mais...





A única empresa Completa,

A Mavicle-Promo, uma empresa que vem crescendo a cada dia, buscando sempre a satisfação em atendimento, qualidade e preço.
Atendendo em todo o Estado do Rio de Janeiro com vendedores preparados para lhe atender do melhor modo possível e atendendo também a clientes em todo o país.
Mavicle-Promo desde 1994 atuando no mercado de adesivos, gráfica, sinalização brindes e produtos promocionais.
Nosso principal objetivo é oferecer produtos que façam sua marca ou empresa se destacar, atraindo consumidores ao seu local de venda.

   
 

 

 

                
      

    

 

-----

  

Gráfica - Imã de Geladeira - Canetas - Panfletos - Folders - Adesivos Etiquetas Adesivas - Etiquetas de Zetex - Brindes - Porta-lixas - Porta-documentos - Calendários - Cartões fotográficos - Mouse Pad - Banners - Faixas - Lonas - Sinalização Industrial e Naval - E muito mais...

 

 

 

 

visite nosso blog

www.mavicle.wordpress.com

 

Campanha Parmê 35 anos.

A Parmê completa 35 anos e, para festejar, o grupo lança a campanha “Parmê – 35 anos de muito sabor”, criada pela agência Domanni. A marca apresenta novo visual que agrega rejuvenescimento, segundo Cíntia Doti, gerente de marketing do Grupo Parmê. A nova identidade está presente em novos ímãs de geladeira, embalagens e baús para as entregas, assim como na ambientação das lojas. Para completar as ações, o site www.parme.com.br ganhará mais interatividade e novo design.


Campanha Ultragás com imã de geladeira.
Ultragaz na sua Rua.
Nosso botijão azul bate na porta da sua casa!
O projeto Ultragaz na sua Rua leva muito mais do que o botijão azul para dentro da casa dos clientes. Por meio de uma série de ações lúdicas envolvendo as donas de casa e suas famílias, oferecemos aos consumidores mais uma forma de conhecer a marca e o cuidado da Ultragaz com o bem-estar das comunidades brasileiras.
O projeto – formado por uma caravana de 22 profissionais – leva promoções e muito entretenimento às pessoas que são contempladas com a visita. Elas podem interagir com a equipe Ultragaz, ganham brindes e participam de concursos culturais.
——————————————————————————–

Ações:
Promoções - promotores, artistas e o personagem Ultrinho percorrem casas e feiras livres entregando ímãs de geladeira e folhetos contendo dicas de segurança e informações importantes sobre o Gás LP, além dos cupons para o Concurso Cultural.
Concurso Cultural – os interessados podem participar preenchendo cupons e respondendo à pergunta: “Por que a Ultragaz é a Especialista em gás?”. As respostas mais criativas serão selecionadas por uma banca de dois professores e um jornalista.

Repórter Ultragaz – o repórter da caravana entrevista donas de casa e outros consumidores dessas regiões, buscando entender melhor suas relações com a Ultragaz e o botijão azul. Em cada parada da caravana, as oito melhores entrevistas são veiculadas na programação do dia seguinte da Rádio Super Sucesso.

http://www.ultragaz.com.br/pt/Institucional/Eventos/Ultragaz_na_sua_Rua/Default.aspx

O imã de geladeira mais caro do mundo.
A engenhosidade das Smart Covers, as capas oficiais do iPad que utilizam ímãs para literalmente grudar no tablet, é tamanha que até usos não previstos pela Apple estão sendo descobertos por entusiastas. Não bastasse cobrir a tela, ligar/desligar o aparelho automaticamente e ainda servir de base em duas posições diferentes para o mesmo, agora ele é também…

iPad como ímã de geladeira.

Um ímã de geladeira! A prática não é recomendada, afinal sempre se corre o risco de alguém esbarrar no mesmo, ou jogar alguma comida, ou, ainda, do ímã não aguentar o iPad na vertical. Em todos esses casos, o desfecho da história tende a ser triste.

Por outro lado, a ideia é interessante. A primeira aplicação que me veio à mente foi uma central doméstica de recados. Em vez de post-its e recados pendurados nos ímãs da geladeira, uma “prancheta” digital centralizaria a comunicação entre os moradores e informações de interesse comum, com datas de vencimento de contas, listas de supermercados etc.

Divulgações à parte, não nos responsabilizamos por eventuais danos nos aventureiros que tentarem essa maluquice.

Depoimento da rede ponto saúde sobre o serviço da Mavicle-Promo.

“Olá meu nome é Flavio, bem vamos falar primeiramente das outras empresas, antes de vocês eu fazia os meus imãs com empresas menores, e tinha que ver como era a batalha para recebermos eles, pois os prazos nunca eram cumprido e por uma vez podem acreditar chegou em minha loja dez mil imã com o numero invertido e a firma disse que o erro seria meu que passou o número, cara disse a eles como eu não vou saber o numero de telefone da minha própria loja, bem este foi um fato que agora estou até rindo, mas no dia foi meio estressante.

Meu relacionamento com vocês começou em uma feira do segmento farmacêutico, fui abordado me falaram da empresa e me deram um folder da empresa, eu como estava meio com pé atrás com o que já vinha acontecendo comigo com outras empresas, não levei fé nenhuma, então a empresa de vcs se manteriam sempre presente, cara sempre chegava e-mail de vocês com promoção e divulgando, foi ai que entrei em contato com o telefone que veio no e-mail e disse querer fazer imã, fui super bem atendido, pegaram meu tel e no mesmo dia entraram em contato comigo para fecharmos o negócio, bem negócio e valores fechados, veio a parte de como seria os imãs, tamanho e impresso os imãs, e foi rapidamente fechado graças a tecnologia pois ficamos mandando e-mail um para o outro para aprovação e depois de aprovado eu perguntei sobre forma de pagamento, ai que foi a melhor parte, ele disse que da data de chegado do imã eu teria 30 e 60 dias para efetuar o pagamento, então veio tudo de uma vez só, atendimento, qualidade, segurança, confiança, prazo e por final preço.

Bem é isso, desde já agradeço e desejo um bom dia.”

Distribuidora de Remédios investe meio milhão para divulgar serviço delivery.

Oferecer remédios de uso prolongado a preços mais acessíveis ao consumidor final. Essa é a estratégia da nova campanha publicitária de reposicionamento da empresa, que tem como tema Medicamentos especiais que fazem a diferença. A empresa, distribuidora de remédios especiais para tratamento de doenças como câncer, osteoporose e hepatite, que até então tinha como públicos-alvo hospitais, clinicam e a classe médica, investiu R$ 500 mil em publicidade para criar proximidade com os consumidores finais, tendo como foco o aumento de sua atuação no serviço de entrega.

Para a Diretora, a expectativa é que as vendas dos medicamentos aumentem em até 45% com a campanha. Além do conforto com o sistema de delivery, os pacientes terão pagamento facilitado, entrega rápida em todo o Brasil.Escolhemos fazer a primeira fase da campanha utilizando mídia de alto impacto, como empenas, painéis nas estações do Metrô e bancas de jornal, busdoor, outdoor e imã de geladeira, para massificar visualmente a marca e aproximar a empresa do consumidor final, completa.

Seis dicas para fazer a verba de divulgação da sua empresa render mais

1 - Escolha a dedo o público-alvo de suas campanhas.
“Quem atira para todos os lados dilui recursos e perde eficácia na ação”, afirma Tiezzi. Por isso, é importante focar esforços na clientela mais rentável. Para identificá-la, o especialista recomenda peneirar os clientes mais frequentes, os mais recentes, aqueles com maiores gastos e os que compram produtos variados.

2 – Acerte nos brindes
Para evitar que bonés e camisetas distribuídos acabem esquecidos numa gaveta, Cunha sugere que, junto com seu logo, sejam escritas frases bem-humoradas. Uma opção mais séria e convencional, mas bastante eficiente, é defender uma causa que tenha apelo ao público do negócio – e na qual você realmente acredite.


3 – Apareça em publicações especializadas
Outra forma de ganhar visibilidade e credibilidade para seu negócio é escrever artigos para publicações dirigidas a seu público-alvo. Tente também se oferecer como fonte de informações para reportagens sobre seu setor. Com a estratégia, você pode ganhar status de autoridade na área de atuação da empresa.

4 – Ouça antigos clientes
Sempre que possível, procure seus clientes para agradecer a compra e pedir opinião sobre produtos ou serviços. Com a medida, além de ganhar informações para o aprimoramento do negócio, você sinaliza que está atento ao que os compradores têm a dizer. O trabalho não termina aí. Mantenha os compradores informados sobre as sugestões implementadas.

5 – Acrescente um slogan na sua assinatura de e-mail
Uma pequena frase acrescentada de um logo ajuda a consolidar a marca entre os leitores de seus e-mails. Cuidado, porém, para não exagerar na dose com textos longos e imagens pesadas.

6- Utilize os produtos da Gráfica Mavicle-Promo, produtos voltados ao aumento do seu Delivery e utilizados para destacar a sua empresa, Imã de geladeira, folders, panfletos, encartes, canetas, adesivos, brindes e muito mais...

Fonte:http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/0,,EMI80487-17200,00-CINCO+DICAS+PARA+FAZER+A+VERBA+DE+DIVULGACAO+DA+SUA+EMPRESA+RENDER+MAIS.html

Uma boa propaganda tem algumas características básicas, tais como:

As diferentes formas de propaganda
Como os métodos usados em propaganda podem resultar em vendas para sua empresa
De acordo com a Associação Americana de Propaganda, propaganda é a mensagem divulgada em veículos de grande penetração (TV, rádio, revistas, jornais, etc.) e patrocinada (paga) por um anunciante que tem por objetivo criar ou reforçar imagens ou preferências na mente do consumidor, predispondo-o favoravelmente em relação ao produto, serviço ou empresa patrocinadora.
Serviços gráficos, brindes, canetas, imãs de geladeira, estas são formas diretas de atingir o seu cliente final com custo baixo e resultado garantido, a Gráfica Mavicle – Promo está ai para lhe ajudar a colocar a sua marca a frente do seu cliente final.
Uma boa propaganda tem algumas características básicas, tais como:

- Proporciona orientação para o consumidor;

- Concentra-se em uma só ideia vendedora (ênfase no benefício mais importante);

- Apresenta ideia competitiva e singular (contém um benefício, uma qualidade ou quantidade única, diferenciada);

- Envolve o consumidor (capta e mantém a atenção do consumidor, além de trabalhar sua motivação);

- Deve ser crível e sincera (se é verdadeira e soa verdadeira, o consumidor sente que o anunciante é honesto. O exagero e a fantasia valem, mas não devem tentar enganar);

- Deve ser simples, clara e completa (não deixa mal-entendido);

- Associa a ideia vendedora (benefícios) à marca (registra claramente a marca e a amarra ao benefício);

- Incrementa as vendas (estabelece forte desejo de compra);

- Deve aproveitar bem o veículo de comunicação (propaganda eficiente usa o veículo certo para o seu propósito).

Quando a propaganda é mais eficiente

Ao investir em propaganda, a empresa deve estar atenta à relação custo-benefício que ela trará. É preciso que ela seja eficiente para alcançar os objetivos preestabelecidos, e essa eficiência é alcançada quando:

- Há um conhecimento mínimo do comprador em relação produto anunciado;

- As oportunidades de diferenciação do produto são fortes;

- O produto tem aspectos que o comprador não consegue observar normalmente;

- As vendas do setor estão ascendentes, e não estáveis ou decadentes.

Cuidados básicos ao planejar a ação de propaganda

A empresa, ao investir em propaganda, deve ter alguns cuidados quanto:

- À missão – quais são os objetivos da propaganda?

- Ao recurso empregado – quanto deve ser gasto em propaganda?

- À mensagem – que tipo de mensagem e estratégia criativa serão usadas?

- Ao planejamento – como deve ser determinada e alocada a verba de propaganda durante o ano?

- À análise – como avaliar o retorno do investimento em propaganda?

Marketing é o processo usado para…

Em português, marketing costuma traduzir-se para mercadologia[1] [2] ou, mais raramente, para “mercância” [3].

Seguem algumas consideradas mais significativas. Idiomaticamente, no uso diário, significa: “comercialização”, mas também realização.

Engloba todo o conjunto de atividades de planejamento, concepção e concretização, que visam a satisfação das necessidades dos clientes, presentes e futuras, através de produtos/serviços existentes ou novos.

O marketing identifica a necessidade e cria a oportunidade. Abaixo algumas definições citadas na literatura mundial:

Definição
é uma função organizacional e um conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valor para os clientes, bem como a administração do relacionamento com eles, de modo que beneficie a organização e seu público interessado. (AMA – American Marketing Association – Definição 2005).


é a atividade, conjunto de instituições e processos para criar, comunicar, distribuir e efetuar a troca de ofertas que tenham valor para consumidores, clientes, parceiros e a sociedade como um todo. (AMA – American Marketing Association – Definição 2008). [4]
é um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros. [5]
é a entrega de satisfação para o cliente em forma de benefício (KOTLER e ARMSTRONG, 1999). [6]
são as atividades sistemáticas de uma organização humana voltadas à busca e realização de trocas para com o seu meio ambiente, visando benefícios específicos [2].


é o conjunto de operações que envolvem a vida do produto, desde a planificação de sua produção até o momento em que é adquirido pelo consumidor (Dicionário Michaelis).
é o conjunto de estratégias e ações que provêem o desenvolvimento, o lançamento e a sustentação de um produto ou serviço no mercado consumidor (Dicionário Novo Aurélio).
conjunto de operações executadas por uma empresa envolvendo a venda de um produto, desde a planificação de sua produção até o momento que é adquirido pelo consumidor (Dicionário Melhoramentos).
se observada de forma pragmática, a palavra assume sua tradução literal: mercado. Pode-se, então, afirmar que marketing é o estudo do mercado. É uma ferramenta administrativa que possibilita a observação de tendências e a criação de novas oportunidades de consumo visando a satisfação do cliente e respondendo aos objetivos financeiros e mercadológicos das empresas de produção ou prestação de serviços (FRAGA, Robson, 2006).
é despertar nos consumidores suas necessidades reprimidas e demonstrar como supri-las através de produtos e/ou serviços. (NÓBREGA, Moacir, 2008).
é a capacidade de identificar por meio de estudos científicos do mercado as necessidades e oportunidades de produtos e serviços gerados para um determinado público-alvo, trazendo benefícios financeiros e/ou administrativos aos clientes através de transações bilaterais. (JAQUES, Leonardo, 2009).
O conceito contemporâneo de Marketing engloba a construção de um satisfatório relacionamento a longo prazo do tipo ganha-ganha no qual indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e necessitam. O marketing se originou para atender as necessidades de mercado, mas não está limitado aos bens de consumo. É também amplamente usado para “vender” idéias e programas sociais. Técnicas de marketing são aplicadas em todos os sistemas políticos e em muitos aspectos da vida.

História do marketing
Origens

Apesar de encontrarmos suas “raízes” ao longo da história da humanidade, na própria gênese do comércio, o marketing é um campo de estudo novo se comparado com os demais campos do saber.

O estudo do mercado surgiu da necessidade dos industriais em administrar a nova realidade oriunda da Revolução Industrial , que causou uma transformação de um mercado de vendedores para um mercado de compradores. Neste estágio o marketing ainda é inseparável da economia e da administração clássica, pois inicialmente sua preocupação era puramente de logística e produtividade, com o intuito de maximização dos lucros. Os consumidores não tinham qualquer poder de barganha e a concorrência era praticamente inexistente.

Tal realidade manteve-se inalterada até fins da Segunda Guerra Mundial quando, então, reagindo ao crescimento da concorrência, mercadólogos começaram a teorizar sobre como atrair e lidar com seus consumidores. Surgiu então a cultura de vender a qualquer preço.

P.T. Barnum, autor de The art of money getting, foi um ícone deste período, cheio de truques que faziam da arte de vender quase um espetáculo de charlatanice e que faz com que até hoje os profissionais do mercado sejam vistos com desconfiança. Outros autores da época são W.D. Scott, autor de The psychology of advertising, e H.L Hollingworth, que escreveu Advertising and selling. As técnicas existentes baseavam-se mais na intuição do que na prática. Eram técnicas ingênuas e/ou maliciosas que estavam misturadas a ferramentas eficientes.

Um dos fatores mais atuais de marketing encontra-se na parte dos virais e de ações coordenadas, onde a questão ética é fundamentada em fatores básicos. A ação de marketing é coordenada através de um plano de estratégia demarketing.

Precursores

Nos anos 40, os primeiros estudos sobre o marketing vieram com trabalhos como o de Walter Scott, sobre a aplicação da psicologia na propaganda e o de William J. Reilly sobre as leis de gravitação do varejo. A questão crucial era se as teorias de mercado podiam ou não se desenvolver. Autores como Roland Vaile e outros afirmavam que nunca seria possível desenvolver uma teoria mercadológica genuína, pois consideravam esta extremamente subjetiva, quase uma forma de arte. Por outro lado, Bartels e outros começavam a admitir que existia uma potencialidade para a teoria mercadológica se tornar uma ciência. Em 1954, pelas mãos de Peter Drucker ao lançar seu livro A prática da administração, omarketing é colocado como uma força poderosa a ser considerada pelos administradores.

Filosofias de administração de marketing

Na maior parte das empresas, o marketing ocupava, há 50 anos, apenas um lugar modesto no organograma, o de um serviço comercial, composto por alguns vendedores e empregados e muitas vezes estava subordinado ao diretor de produção ou diretor administrativo, mas aos poucos, essa função foi-se alargando progressivamente e colocada no mesmo plano das outras direções de produção, financeira e de recursos humanos.

Atualmente, pode-se ver a mesma empresa praticando diferentes filosofias de marketing ao redor do mundo e ver empresas usando filosofias diferentes do marketing em um mesmo mercado: orientação para produção, produto, venda, cliente e sociedade, podendo-se identificar na evolução do marketing as seguintes filosofias para sua administração.

Orientação para produção: A grande questão, para as empresas, era produzir e não vender. O papel do marketing é, essencialmente, entregar produtos em locais onde possam ser comprados. Considera que os consumidores preferem os produtos de melhor qualidade, desempenho e aspectos inovadores.

Portanto as organizações deveriam esforçar-se para aprimorar seus produtos permanentemente.
Orientação para vendas: Uma orientação para vendas envolve a concentração das atividades de marketing na venda dos produtos disponíveis. Normalmente utilizada quando a oferta de produtos e serviços é maior do que a demanda. Ênfase em promoções e vendas.


Orientação para o cliente: A função principal da empresa não é mais produzir e vender, mas satisfazer à clientela, consultando-a antes de produzir qualquer coisa, via estudos de mercado e com base nessa consulta, caso seja favorável, oferecer-lhe produtos/serviços/idéias de qualidade e valor, para que os consumidores voltem a comprar e a falar bem da empresa e de seus produtos.


Orientação para o marketing societal (marketing socialmente responsável): Sustenta que a organização deve determinar as necessidades, desejos e interesses do mercado-alvo e então proporcionar aos clientes um valor superior de forma a manter ou melhorar o bem-estar do cliente e da sociedade.


Orientação para o marketing holístico: Nesta abordagem a empresa deve tentar compreender e administrar toda a complexidade envolvida na gestão de marketing de uma empresa.
Década de 1950

Os primeiros passos para a difusão do marketing foram dados por Peter Drucker, ainda que implicitamente, em 1954, com o lançamento do livro A prática da administração. Não se tratava propriamente de um estudo detalhado sobremarketing, mas foi o primeiro registro escrito que cita esta ferramenta como uma força poderosa a ser considerada por administradores focados no mercado.

Década de 1960

A primeira grande mudança neste cenário veio em 1960 por Theodore Levitt, mais tarde intitulado o “pai” do marketing, professor da Harvard Business School. Seu artigo na revista Harvard Business Review intitulado Miopia em marketing [7], revelou uma série de erros de percepção, mostrou a importância da satisfação dos clientes e transformou para sempre o mundo dos negócios. O “vender a qualquer custo” deu lugar à “satisfação garantida”.

O mundo do marketing começou a borbulhar, artigos científicos foram escritos, pesquisas feitas e dados estatisticamente relevantes traçados. Separou-se as estratégias eficientes das impressões empíricas e viu-se a necessidade de um estudo sério do mercado. Este conhecimento adquirido foi espalhado, difundido, apesar de muitas vezes de forma restrita ao mundo acadêmico.

Em 1967, Philip Kotler, professor da Kellogg School of Management, lança a primeira edição de seu livro “Administração de marketing“, onde reuniu, reviu, testou e consolidou as bases daquilo que até hoje formam o cânone do marketing.

Talvez devido a estas influências, após este período ocorreu um grande desenvolvimento de marcas como Coca-Cola, Sears, Marlboro, etc.

Década de 1970

Nos anos 70 destacou-se o fato de surgirem departamentos e diretorias de marketing em todas as grandes empresas. Não se tratava mais de uma boa ideia, mas de uma necessidade de sobrevivência. É nesta época que se multiplicam os supermercados, shoppings centers e franchises.

De fato, a contribuição do marketing é tão notória no meio empresarial, que passa rapidamente a ser adotada em outros setores da atividade humana. O governo, organizações civis, entidades religiosas e partidos políticos passaram a valer-se das estratégias de marketing adaptando-as às suas realidades e necessidades. O marketing envolve questões financeiras, voltadas à sua teoria de “vender a qualquer custo”, passando a ser vista de outra forma: “satisfação em primeiro lugar”. Hoje em dia, o marketing está em praticamente todas as áreas.

Década de 1980

Em 1982, o livro Em busca da excelência, de Tom Peters e Bob Waterman, inaugurou a era dos gurus de marketing. Num golpe de sorte editorial, produziram o livro de marketing mais vendido de todos os tempos, ao focarem completamente sua atenção para o cliente. O fenômeno dos gurus levou o marketing às massas, e portanto as pequenas e médias empresas, e a todo tipo de profissional. Talvez por isso, e também por uma necessidade mercadológica, omarketing passou a ser uma preocupação direta da alta direção de todas as megacorporações, não estando mais restrita a uma diretoria ou departamento.

O fenômeno dos gurus entretanto é responsável pelo posterior descuido com o rigor da investigação científica e uma tendência a modismos. Nesta época floresceram diversos autores que logo caíram no anonimato e outros como Al Ries, por definir o conceito de “posicionamento”; Jay Conrad Levinson, por conceituar o “marketing de guerrilha”; e Masaaki Imai, pai do Kaizen, que ganharam reconhecimento no mundo dos negócios e reputação por suas ideias e abordagens originais.

Década de 1990

Assim como fez em muitos outros setores, o avanço tecnológico dos anos 90 teve um forte impacto no mundo do marketing. O comércio eletrônico foi uma revolução na logística, distribuição e formas de pagamento. O CRM (Customer Relationship Management) e o serviços de atendimento ao consumidor, entre outras inovações, tornaram possível uma gestão de relacionamento com os clientes em larga escala. E como se isso não fosse o suficiente a Internet chegou como uma nova via de comunicação. É a época do maximarketing de Stan Rapp; do marketing 1 to 1, da Peppers & Rogers Group; do aftermarketing de Terry G. Vavra; e do “marketing direto” de Bob Stone. Ou seja, caracterizou-se por uma constante busca pela personalização em massa.

Outra tendência do período foi o fortalecimento do conceito de “marketing societal”, no qual tornou-se uma exigência de mercado haver uma preocupação com o bem-estar da sociedade. A satisfação do consumidor e a opinião pública, passou a estar diretamente ligada a participação das organizações em causas sociais, e a responsabilidade social transformou-se numa vantagem competitiva.

Década de 2000

A virada do milênio assistiu à segmentação da televisão a cabo, a popularidade da telefonia celular e a democratização dos meios de comunicação especialmente via Internet. A World Wide Web já estava madura o suficiente e nos primeiros anos desta década surgiram uma infinidade de pesquisas e publicações sobre webmarketing e comércio eletrônico. Isso revolucionou tanto a logística como a oferta de produtos, e o cliente passou a ter informações e poder de barganha nunca antes vistos. Era de se esperar que isso influenciasse a maneira com a qual os consumidores interagiam com as empresas e entre si. A mídia espontânea, conseguida por esforços de assessoria de imprensa, relações públicas,marketing social, começam a tomar o espaço da propaganda tradicional. O nascimento do “marketing de permissão”, de Seth Godin; a conceitualização do “marketing boca-a-boca” por George Silverman; a explosão do buzz marketing e domarketing viral, por autores como Russell Goldsmith e Mark Hughes; e o amadurecimento do crossmedia e dos ARGSs (alternative reality games) também são consequências deste fato que influenciaram tanto o marketing como a comunicação.

Década de 2010

A década de 2010 é marcada pela inserção da rede mundial de computadores e um novo comportamento de compra on line, porém não há pesquisas ou publicações a respeito de uma tendência principal, como o marketing de busca. O que sugere a academia é que há uma nova interrelação entre os meios, o acesso do consumidor ao mercado e as formas de comunicação entre as empresas e os consumidores.

Marketing de Busca
Como a busca se tornou parte essencial da rotina dos usuários da Internet. Com isso, o marketing de busca, que é um dos tipos de marketing digital, tem atraído cada vez mais atenção. Podemos definir marketing de busca como um conjunto de estratégias que visam atingir o cliente em potencial no momento em que ele busca um produto, serviço ou qualquer informação na internet. As estratégias englobam os links patrocinados e a otimização para sites de busca.

Segmentação do mercado-alvo
Ver artigo principal: Segmento de mercado
As primeiras coisas a serem definidas em qualquer planejamento de marketing é quem são seus consumidores e qual exatamente é seu mercado-alvo. Por maior e mais poderosa que seja, nenhuma empresa pode fazer um bom trabalho em todos os mercados e satisfazer todas as suas necessidades. Segmentar o mercado é dividi-lo em grupos com características e interesses semelhantes. É imperativo encontrar um segmento de mercado onde estão os clientes em potencial com necessidades similares àquelas que a empresa deseja e pode atender.

Um segmento de mercado é o resultado desta divisão de um mercado em pequenos grupos. Este processo é derivado do reconhecimento de que o mercado total é freqüentemente feito de grupos com necessidades específicas. Em função das semelhanças dos consumidores que compõem cada segmento, eles tendem a responder de forma similar a uma determinada estratégia de marketing. Isto é, tendem a ter sentimentos, percepções e comportamento semelhantes.

Criação de valor


Uma oferta de marketing só alcançará êxito se proporcionar valor ao seu mercado-alvo. O cliente recebe benefícios e assume custos, por isso definimos valor como a razão entre tudo aquilo que o cliente recebe e tudo o que sacrifica ao fechar um acordo. É muito mais complexo do que uma simples troca comercial. Os benefícios incluem benefícios funcionais e emocionais, os custos incluem custos monetários, de tempo, de energia e psicológicos.

Valor: traduz-se na taxa dos benefícios em relação ao sacrifício necessário para obter esses benefícios. A criação de valor para o cliente é a peça chave do Marketing bem sucedido, mas, devido ao facto de o valor ser determinado somente pela percepção do cliente, pode ser difícil de quantificar. Os clientes valorizam mercadorias e serviços com a qualidade que esperam e que sejam vendidos pelos preços que eles desejam pagar. Os profissionais de Marketing interessados no valor para o cliente : ­:* Oferecem produtos que desempenham a sua função: este é o requisito mínimo indispensável. Os clientes perdem a paciência com produtos inferiores; ­:* Dão aos clientes mais do que eles esperam ­:* Evitam preços irreais ­:* Mostram os factos aos clientes: actual/ o cliente sofisticado deseja publicidade informativa e vendedores inteligentes. ­:* Oferecem serviços e suporte pós-venda. ­:*

SATISFAÇÃO DOS CLIENTES

Muitas pessoas confundem o real conceito de VALOR com PREÇO. PREÇO é o custo financeiro de um bem para a sua aquisição. VALOR é uma comparação psicológica sobre a funcionalidade do bem com o seu preço. Um indivíduo só se dispõe a comprar se o PREÇO for igual ou abaixo do valor estipulado pelo seu inconsciente, baseado na funcionalidade para o uso próprio.

Ex: Uma loja vende uma gravata por $100,00. Se a gravata, na minha opinião, tiver a importância e funcionalidade que faça valer os $100,00, eu estarei disposto a comprá-la. Se meu estado psicológico informar que esta gravata tem importância e funcionalidade mas não me faz valer $100,00, então não a comprarei.

Para pequenos empresários, baixar o preço de seus produtos significa aumentar vendas. De certa forma sim, mas ao mesmo tempo preço vem atrelado, inconscientemente, a qualidade do produto. Pessoas, na maioria dos casos, atrelam preço alto a boa qualidade e preço baixo a qualidade inferior. O grande objetivo não é baixar preços, e sim elevar o valor do bem na concepção dos clientes. É esse o trabalho do marketing, gerar valor.

Mercado e Valor
O mercado é ainda, como um todo, uma sociedade de massa, de modo que o estudo da Psicologia das Massas também é relevante. Segundo William McDougall, as massas se comportam como um animal selvagem.

Aumento de benefícios.
Redução de custos.
Aumento de benefícios e redução de custos.
Aumento de benefícios em proporção maior do que o aumento de custos.
Redução de benefícios em proporção menor do que redução de custos.
Outra forma de aumentar a proposta de valor é mostrar ao consumidor que se leva mais qualquer coisa além do produto adquirido, concretizemos esta idéia com o caso de marketing pessoal de David Beckham. A imagem com que o jogador do Los Angeles Galaxy aparece, vende, quer seja o penteado ou os brincos que usa. Quem consome as réplicas das camisas com que ele joga, ou quem compra uns brincos iguais aos dele, ou até mesmo que use o mesmo corte de cabelo, acaba por ter uma satisfação acrescida, além do produto físico.

Estima-se que o custo de atrair um novo consumidor é cinco vezes o custo de manter um consumidor fiel. Assim, uma das principais tarefas do marketing é manter seus consumidores satisfeitos. A satisfação do mercado-alvo depende diretamente do desempenho da oferta em relação as expectativas dos clientes. A expectativa por sua vez é construída a partir de experiências anteriores dos consumidores e da reputação, promessas e informações fornecidas pela empresa.

O cliente ficará satisfeito se o desempenho alcançar suas expectativas, e insatisfeito se não alcançar. Se o desempenho for além e superar as expectativas, o cliente então ficará altamente satisfeito ou encantado. Um cliente encantado, vale dez vezes mais para a empresa do que um cliente satisfeito, isso porque os altamente satisfeitos são muito menos propensos a mudar para a concorrência quando parece surgir oferta melhor. Os diferentes aspectos que contribuem na gestão desta satisfação podem ser contemplados pelo composto mercadológico.

Composto mercadológico
Ver artigo principal: Composto de Marketing
O composto mercadológico, composto de marketing, marketing mix ou simplesmente 4Ps (quatro pês) foi formulado primeiramente por Jerome McCarthy em seu livro Basic Marketing (1960) e trata do conjunto de pontos de interesse para os quais as organizações devem estar atentas se desejam perseguir seus objetivos de marketing. O composto é dividido em 4 secções, as quais são:

Produto do inglês product
Preço do inglês price
Praça do inglês place
Promoção do inglês promotion
Robert Lauterborn sugeriu que os 4Ps do vendedor correspondem aos 4Cs dos clientes.

4Ps – 4Cs
Produto – Cliente (solução para)
Preço – Custo (para o cliente)
Ponto – Conveniência
Promoção – Comunicação
Rentabilidade e alocação de recursos


Não basta satisfazer os consumidores, se isso não for feito de uma maneira lucrativa. A estratégia de marketing deve, portanto, identificar, atrair e manter clientes rentáveis. Ou seja, aqueles que geram um fluxo de receita que excede o fluxo de custo de se atrair, vender e serví-los. Todavia, todas as empresas perdem dinheiro com alguns de seus clientes.

Em “Customers for life”, Carl Seweell defende a regra 80/20, onde 20% dos principais clientes geram até 80% do lucro da empresa, metade do qual é perdido para atender a base formada por 30% de clientes não-rentáveis. A implicação é que uma organização pode ser mais rentável se souber como dispensar seus piores clientes.

Existem, também, diferentes rentabilidades para cada produto ou serviço. O modelo do Boston Consulting Group, conhecido como Matriz BCG, foi pioneiro na análise estratégica da carteira de produtos relacionando a participação dos produtos no mercado e o crescimento deste mercado.

Acerte no folheto de divulgação

Você já parou para pensar na quantidade de folhetos que caem nas mãos de seus potenciais clientes? São pilhas deles. E a maioria vai direto para o lixo. Veja como impedir que os papéis distribuídos por sua empresa tenham o mesmo fim:

- Mostre de cara como sua mercadoria ou serviço pode ajudar o consumidor. "As pessoas querem saber logo qual é a relevância do produto em sua vida e não estão dispostas a ler um discurso enorme sobre a empresa", diz o vice-presidente executivo da agência de publicidade DM9DDB, Alcir Gomes Leite. Claro que em toda regra há exceção. Em alguns casos, pode ser importante contar um pouco da história do negócio para reforçar a credibilidade do que você tem a oferecer.


- Trate o leitor da forma mais pessoal possível. Para conseguir tal efeito, é essencial ajustar o vocabulário e o conteúdo do folheto ao perfil do público-alvo. Leve em conta características como a faixa etária, o grau de escolaridade, a classe social e os tipos de interesses. Chamar o leitor de "você" também colabora com a sensação de proximidade.

Nas malas-diretas, sempre que possível, tenha em cada folheto - e não só no envelope - o nome do destinatário.


- Capriche no visual. Com visual mambembe, cresce - e muito - o risco de seu folheto ir direto para a lixeira. Pior ainda: o leitor pode associar a imagem de seu negócio ao mesmo amadorismo do folheto. Na falta de dinheiro para contratar um fotógrafo ou bom ilustrador, é possível recorrer aos chamados bancos de imagens, que vendem fotos e ilustrações.


- Evite recorrer a fotos de pessoas, lugares ou coisas sem nenhuma relação com seu negócio.


- Considere a possibilidade de utilizar fotos de clientes reais acompanhadas de depoimentos atestando como eles se beneficiaram de seus produtos ou serviços. Isso ajuda a mensagem a ganhar credibilidade.


- Não deixe de acrescentar no folheto o endereço de seu site na internet. É nesse espaço virtual que você pode detalhar e acrescentar informações.

Gráfica, definição de parque gráfico.

PARQUE GRÁFICO
Parque gráfico é um conjunto de empresas gráficas de uma companhia, cidade, estado ou país. Engloba todos os maquinários necessários para a produção (da impressão ao acabamento) de livros, revistas, jornais e outros tipos de impressos.
No Brasil
Com a modernização do Brasil na década de 1950 e o consequente desenvolvimento da indústria local, o setor gráfico cresceu 143% no período. O parque gráfico brasileiro foi capaz então de iniciar sua renovação na primeira metade da década de 1960, ampliando ainda mais a atividade editorial no país. Já na década de 1970 as gráficas haviam migrado dos antigos linotipos para os modernos equipamentos de fotocomposição. Parte desta renovação deve-se a medidas como taxa de câmbio especial para importação, isenção de taxas alfandegárias para máquinas destinadas à produção de livros, além da isenção de taxas na produção de livros estabelecida pela Constituição de 1967.

Um dos maiores parques gráficos da América Latina está situado em São Paulo, e pertence ao Grupo Abril.

A Mavicle-Promo está com o seu parque gráfico montado no em São Gonçalo, cidade vizinha a Niterói, no Rio de Janeiro e atende a todo País, atendemos a todos os estados, temos muitos clientes em São Paulo, Minas Gerais e outros estados, trabalhamos com todos os serviços gráficos, panfletos, folders, encartes, imã de geladeira, possuimos alta capacidade de produção.

Gráfica

Uma gráfica é uma entidade prestadora de serviços cuja função é transferir tinta para um substrato (papel, plásticos, etc..) através de um sistema de impressão, como off-set, rotogravura, flexografia e outros.
As gráficas podem ainda oferecer serviços de pós-impressão, como acabamento, dobraduras, encadernação, colagem e efeitos.

A Mavicle-Promo está com o seu parque gráfico montado no em São Gonçalo, cidade vizinha a Niterói, no Rio de Janeiro e atende a todo País, atendemos a todos os estados, temos muitos clientes em São Paulo, Minas Gerais e outros estados, trabalhamos com todos os serviços gráficos, panfletos, folders, encartes, imã de geladeira, possuimos alta capacidade de produção.

CMYK

Mistura de cores e gráfica.
CMYK é a abreviatura do sistema de cores formado por Ciano (Cyan), Magenta (Magenta), Amarelo (Yellow) e Preto ("K"ey- do inglês=chave, pois é a base).

O CMYK funciona devido à absorção de luz, pelo fato de que as cores que são vistas vêm da parte da luz que não é absorvida. Este sistema é empregado por imprensas, impressoras e fotocopiadoras para reproduzir a maioria das cores do espectro visível, e é conhecido como quadricromia. É o sistema subtrativo de cores, em contraposição ao sistema aditivo, o RGB.

Ciano é a cor oposta ao vermelho, o que significa que actua como um filtro que absorve a dita cor (-R +G +B). Da mesma forma, magenta é a oposta ao verde (+R -G +B) e amarelo é a oposta ao azul (+R +G -B). Assim, magenta mais amarelo produzirá vermelho, magenta mais ciano produzirá azul e ciano mais amarelo produzirá verde.

Inclusão do preto

O preto pode ser produzido misturando os três pigmentos primários, mas por várias razões, é preciso adicionar tinta preta ao sistema:

O preto que se cria misturando os três pigmentos primários não é puro;
Empregar o 100% das tintas ciano, magenta e amarelo produz uma camada que, dependendo do tipo de papel, pode não secar ou ainda romper a folha se muito leve;
Os textos imprimem-se geralmente no preto pois incluem detalhes muito finos que seriam complicados de conseguir mediante a superposição de três tintas;
O pigmento preto é o mais barato de todos, razão pela que criar negro com três tintas seria muito mais caro.
CMYK versus RGB

O padrão CMYK é mais usado para impressão, enquanto que monitores e televisões usam o padrão RGB (Vermelho (Red), Verde (Green) e Azul (Blue)), onde são usadas apenas três cores. Como o CMYK que se usa na indústria gráfica é baseado na mistura de tintas sobre o papel e o CMYK usado nos sistemas de computador não passa de uma variação do RGB, nem todas as cores vistas no monitor podem ser conseguidas na impressão, uma vez que o espectro de cores CMYK (gráfico) é significativamente menor que o RGB. Alguns programas gráficos incorporam filtros que tentam mostrar no monitor a imagem como será impressa.

Além do CMYK e do RGB, existem outros padrões de cores, como o Pantone, onde em lugar de um certo número de cores primárias que são combinadas para gerar as demais, tem-se um conjunto maior de tintas especiais, que misturadas entre si, produzem na impressão uma gama de cores consistente com o que é visto em um mostruário.

A Mavicle-Promo está com o seu parque gráfico montado no em São Gonçalo, cidade vizinha a Niterói, no Rio de Janeiro e atende a todo País, atendemos a todos os estados, temos muitos clientes em São Paulo, Minas Gerais e outros estados, trabalhamos com todos os serviços gráficos, panfletos, folders, encartes, imã de geladeira, possuimos alta capacidade de produção.

Impressão offset


A impressão offset (no Brasil chamado também de ofset) é um processo planográfico cuja essência consiste em repulsão entre água e gordura (tinta gordurosa). O nome off-set - "fora do lugar" - vem do fato da impressão ser indireta, ou seja, a tinta passa por um cilindro intermediário, antes de atingir a superfície. Este método tornou-se principal na impressão de grandes tiragens; para menores volumes, sua utilização não compensa, já que o custo inicial da produção torna-a proibitiva.


Gravação da chapa

O Processo

Uma chapa metálica é preparada de forma a se tornar fotossensível. As áreas que são protegidas da luz tornam-se, após uma reação química, lipófilas, atraindo gordura (Grafismo), enquanto que as demais regiões se mantêm hidrófilas, atraindo água (contra-Grafismo). A cópia de chapa pode ser de forma analógica (CtF - Computer to Film) ou digital (CtP - Computer to Plate).

No CtF um arquivo gerado no computador é transferido para um filme especial através de uma imagesetter, esse filme é fixado à chapa que por sua vez é exposta à luz.

No CtP a confeção do filme não é necessária, o arquivo produzido é "gravado" diretamente na chapa através de laser em uma platesetter.

Todo esse processo acaba tornando uma impressão de alto custo. Todavia, esta é a alternativa utilizada pelas gráficas que pretendem entrar no mercado digital, poluem menos, geram menos material como fotolito e agilizam o processo. Tem-se tornado cada vez mais forte no segmento on demand, evitando estoques excessivos e gastos desnecessários.

Montagem

A chapa, que é flexível, é montada na impressora offset em um cilindro. Cada chapa é usada para transferir uma cor.

Para impressos em várias cores é necessário o uso de várias chapas, uma para cada cor (basicamente 4 cores, CMYK Cyan / Magenta / Amarelo / Preto, que proporcionam a mistura por pontos) só sendo necessário o uso de mais chapas para cores especiais. Como o prata, o ouro e cores Pantone.. A impressora precisa também estar preparada para imprimir em série o número de cores necessário. Isto é importante para manter o registro entre as diferentes tintas.

Impressão

Tanto nas impressoras rotativas, onde o papel entra em bobina, como nas impressoras planas, que usam o papel já cortado, o sistema funciona de maneira rotativa. Uma série de cilindros conduzem tanto a tinta quanto o papel.

A impressão é feita de forma indireta, o cilindro onde a matriz foi montada é mantido úmido por rolos umidificadores. A tinta também é transferida para este cilindro, como ela é de base gordurosa ela se concentra nas áreas lipófilas e é ao mesmo tempo repelida pela água que se concentrou nas áreas hidrófilas do cilindro.

A tinta então é transferida para um cilindro de borracha, chamado de blanqueta (ou "cauchú"), que serve de intermediário para a impressão. Ele ajuda a manter o papel seco e ao mesmo tempo melhora a sobre-vida da matriz.

Produção da chapa

As chapas de offset, como dito acima, primeiramente são tratadas de forma que se tornam fotossensíveis. Após este passo elas são expostas de várias formas diferentes à luz e reveladas.

Fotogravura ou CTF

Computer to film - A chapa é exposta, através de um fotolito, a uma luz por um determinado tempo. Este processo é similar ao da ampliação de fotografias e está submetido às mesmas limitações. O tempo de exposição precisa ser medido com precisão para não superexpor ou subexpor a imagem, comprometendo o resultado final.

Este processo normalmente não inverte a imagem, como na fotografia, ou seja as partes que são expostas a luz se tornam hidrófilas e durante a produção não acumulam tinta. Porém dependendo da cor da tinta e do material impresso é possível que seja necessário um fotolito negativo.

CTP

CTP (Computer-to-Plate) é o processo de produção das chapas usadas na impressão offset. A chapa é gravada através de laser, que é controlado por um computador, de forma similar às impressoras laser. Isto permite que a chapa seja gerada diretamente de um arquivo digital, sem a necessidade da produção de um fotolito intermediário. Este processo também garante o aumento da qualidade final da imagem gravada. Isso deixa a imagem perfeita. Existem métodos de gravação de chapas mais avançados, como o processo de gravação através de UV (Ultra Violeta), dispensando assim o laser.

Direct-to-Press

É um sistema de gravação da matriz offset na qual a "chapa" é gravada diretamente na impressora, sistema desenvolvido pela alemã Heidelberg, e atualmente utilizado por várias outras empresas. A matriz é gravada a Laser, e o sistema usado na impressora é o sistema waterless (impressão sem uso de solução de molha — água).

A Mavicle-Promo está com o seu parque gráfico montado no em São Gonçalo, cidade vizinha a Niterói, no Rio de Janeiro e atende a todo País, atendemos a todos os estados, temos muitos clientes em São Paulo, Minas Gerais e outros estados, trabalhamos com todos os serviços gráficos, panfletos, folders, encartes, imã de geladeira, possuimos alta capacidade de produção.

Gráfica, a história, processo e funcionamento.

OFFSET

A Impressão Offset origina da evolução do sistema de impressão Litográfica, que foi "inventada" por Alois Senefelder no ano de 1798, na cidade de Munique na Alemanha.

O termo Litografia origina-se do grego, onde:

Litos = pedra
Grafe = escrever

No processo "usava-se" uma pedra porosa, onde as letras ou figuras eram marcadas a lápis ou pincel, aplicava-se graxa ou óleo de linhaça sobre as imagens e depois humedecia-se a pedra.

A água adere às partes não cobertas pela graxa e óleo, protegendo essas partes, de modo a impedir que a tinta se espalhe por toda a pedra.
De seguida colocam-se folhas de papel sobre a pedra decalcando a imagem (processo de impressão directo).
Isso é possível porque a área de imagem (grafismo) é Lipófila e a área sem imagem (contragrafismo) é Hidrófila.

- Hidrofilia: afinidade que certos materiais tem com a água.

- Lipofilia: afinidade que certos materiais tem com corpos gordurosos.

Evolução do Processo Litográfico

Mais tarde, esse processo de impressão foi aperfeiçoado e foram inventadas máquinas cada vez mais rápidas.

O último aperfeiçoamento da impressão Litográfica foi o uso da matriz de zinco em vez da pedra.

Hoje em dia esse processo de impressão já praticamente não existe, devido as facilidades da Impressão Offset.

Impressão Offset

A impressão offset é a impressão litográfica aperfeiçoada e automatizada, porém há um factor diferenciado e importante: a impressão offset é um processo de impressão indirecto.

Na impressão litográfica, o papel recebe a imagem directamente da pedra ou da chapa de zinco através de um cilindro de pressão.

Já na impressão offset, o suporte recebe a imagem de uma borracha intermediária (cauchu) entre o cilindro da chapa e o cilindro impressor (ou de pressão).

A máquina de impressão offset possui três cilindros que formam a unidade de impressão, sendo eles:

- Cilindro da chapa

- Cilindro do cauchú

- Cilindro impressor

O cilindro da chapa é responsável pela acomodação da chapa (matriz / forma), sendo construído de aço ou ferro. Este cilindro possui um vão onde estão localizadas as pinças, que são responsáveis em "prender" a chapa no cilindro através dos lados que chamamos de pinça e contra-pinça.

O cilindro do cauchu tem a função de fixar o cauchu. O cauchu é uma borracha que recebe a imagem entintada da chapa e a transmite para o papel

O cilindro impressor é responsável em exercer a pressão necessária para transferir a imagem do cauchu para o papel. Este cilindro deve entrar em pressão quando a folha estiver a passar entre ele e o cauchu.

Evolução da Impressão Offset

Antes das máquinas de impressão offset serem "inventadas", pouco antes de 1900, havia-se tentado aumentar o rendimento da litografia com o emprego das impressoras chamadas "Roto-Diretas". Elas utilizavam zinco fixado em volta de um cilindro grande equipado com um sistema de tintagem e molha. Um pequeno cilindro marginava a folha, que entrava assim directamente em contacto com a chapa (impressão directa), com alimentação manual.

O rendimento de impressão atingia de 1.500 a 2.000 folhas por hora.

Máquinas de Impressão Offset

No início de 1900 via-se em diversas revistas técnicas americanas, artigos publicitários de máquinas offset fabricadas por empresas tais como: HOE, WALTER SCOTT e HARRIS. Em outubro de 1910 a HARRIS já propunha cinco tipos de máquinas offset. A velocidade máxima garantida pelo fabricante era de 5.000 folhas por hora.

Nesse mesmo ano, os seis formatos fabricados por outra empresa (WALTER SCOTT) iam de 70 x 75 cm a 95 x 145 cm.

Para a época, 1910, parecia um sonho quando víamos a proposta de uma máquina offset a imprimir 5.000 folhas por hora.


Essas máquinas foram por muito tempo de difícil manejo, devido à falta de recursos, e principalmente pela instabilidade do seu funcionamento. Actualmente ainda existem máquinas fabricadas em 1920 que imprimem excelentes trabalhos. Isso prova que desde o início a parte mecânica da máquina era mais importante que os métodos de obtenção das chapas. A partir da década de 1920, os métodos fotográficos permitiram uma maior regularidade no trabalho.

A evolução do processo foi sem dúvida muito rápida. Em todos os pontos do planeta estavam a ser realizados estudos para desenvolver máquinas cada vez mais rápidas e com melhor qualidade.

Não demorou muito tempo para surgirem máquinas fabulosas, que eram capazes de realizar a impressão de duas, quatro e até seis cores numa única passagem da "folha" pela máquina, sendo posteriormente desenvolvidas máquinas de retroverso; são máquinas que têm o recurso para realizar a impressão na frente e no verso numa única passagem pela máquina, como por exemplo: duas cores na frente e duas cores no verso, quatro cores na frente e uma cor no verso, ou ainda outras combinações.

Com a introdução da electrónica e da informática a evolução das máquinas foi ainda mais espantosa, foram elaborados sistemas que possibilitam o controle da máquina de impressão através de computadores, sistemas que o operador pode realizar o controle da carga de tinta nos diferentes pontos da chapa conforme a necessidade, realizar o acerto das cores, mudanças de pressão conforme a espessura do suporte, limpeza do cilindro impressor e do cauchu, e muitos outros recursos através de simples toques nos teclados dos computadores (com comando a distância).

Hoje em dia estão a ser realizados estudos para facilitar e melhorar a impressão, sendo que os principais estudos estão voltados para o maior problema da impressão offset, o equilíbrio entre água e tinta.

Muitas chapas, tintas e dispositivos da máquina já foram elaborados para facilitar esse equilíbrio, mas já existem máquinas de impressão offset que não requerem água para realizar a impressão (water less) porém este sistema ainda não é muito utilizado. No sistema "water less", o que possibilita a impressão sem água é a chapa, que possui uma camada superficial de silicone e uma base "de alumínio", a imagem é gravada através de raio "laser" ou através de exposição convencional e o silicone é perfurando até a base de alumínio após a exposição, formando minúsculos orifícios (alvéolos). Sendo o silicone lipófobo (repele corpos gordurosos) e a base de alumínio lipófila (atrai corpos gordurosos) a tinta "pegará" apenas nas áreas perfuradas (imagem). A impressora tem que manter uma temperatura baixa e constante para não "derreter" o silicone que é sensível ao calor.

Existem também outros sistemas de impressão offset "water less" além do mencionado acima, e outros estão a ser desenvolvidos por todo o mundo.

A evolução não foi apenas em máquinas de impressão folha-a-folha, foi também em rotativas (que utilizam bobinas) e que contam com altíssima tecnologia.

Componentes básicos das máquinas de impressão offset folha-a-folha:

Os componentes (partes) principais de uma máquina de impressão offset são: mesa de alimentação, mesa de marginação, grupo impressor, mesa de recepção.

Sistema de alimentação

É responsável em conter as folhas (suportes) a serem impressas, sendo que quando accionada retira uma folha de cada vez e de forma constante da "pilha".

É composta basicamente por bombas de ar (que realizam através de sopros a separação das folhas, e através de sucção retira a folha da pilha e encaminha-a para a mesa de marginação), com aparadores frontais (balizas) e laterais (esquadros) para manter o suporte sempre alinhado, e com palhetas e escovas para auxiliar a separação das folhas.

Mesa de Marginação

É responsável por marginar as folhas a serem impressas, ou seja, fazer com que todas as folhas entrem exactamente na mesma posição no grupo impressor para não haver variação no registo das cores nem variação na hora do corte no acabamento.

É composta basicamente por roldanas e guias, que conduzem o suporte até às balizas, onde o mesmo será marginado frontalmente, e por um esquadro lateral que realizará a marginação no sentido lateral.

Grupo Impressor

É o coração da máquina de impressão, o local onde ocorrerá a transferência da imagem para o suporte (impressão).

Existem diferenças entre cada fabricante, mas basicamente a máquina é composta por um cilindro da chapa, o cilindro do cauchu e cilindro impressor. Além do sistema de molha, que é responsável em humedecer a chapa nas áreas sem imagem (contragrafismo) para que essas áreas não recebam tinta, e do sistema de tintagem, que é responsável em tintar as áreas de grafismo (lembrando que essas áreas não aceitam água).

Sistema de Recepção

É responsável em receber e manter alinhado o suporte após passar pelo grupo impressor.

É composto basicamente por guias e correntes que recebem o suporte das pinças do cilindro impressor e o transportam até a mesa de recepção, onde é alinhado por aparadores frontais e laterais.

A Mavicle-Promo está com o seu parque gráfico montado no em São Gonçalo, cidade vizinha a Niterói, no Rio de Janeiro e atende a todo País, atendemos a todos os estados, temos muitos clientes em São Paulo, Minas Gerais e outros estados, trabalhamos com todos os serviços gráficos, panfletos, folders, encartes, imã de geladeira, possuimos alta capacidade de produção.

Página em Otimização | Rss | Sitemap